|

Feira para o setor de segurança no trabalho, realizada de 08 a 10 de outubro de 2014, reuniu mais de 650 expositores e 50 mil visitantes, em São Paulo

A 20a edição da FISP | Feira Internacional de Segurança e Proteção, maior evento da América Latina voltado à prevenção de acidentes e saúde do trabalhador, foi aberta no dia 08 de outubro de 2014, no Centro de Exposições Imigrantes, com a presença de representantes de entidades setoriais, empresários, técnicos e especialistas da área.

O evento, promovido pelo Grupo Cipa Fiera Milano em parceria com a Abraseg – Associação Brasileira dos Distribuidores e Importadores de Equipamentos e Produtos de Segurança e Proteção ao Trabalho; a Animaseg – Associação Nacional da Indústria de Material de Segurança e Proteção ao Trabalho e o SINDISEG – Sindicato da Indústria de Material de Segurança, reuniu mais de 650 expositores e público visitante de 50 mil profissionais entre médicos do trabalho, enfermeiros, psicólogos, fonoaudiólogos, engenheiros e técnicos de segurança do trabalho, inspetores de risco,

cipeiros e bombeiros, além de gerentes, diretores, compradores e vendedores de organizações de diversos setores.

Marco Antonio Mastrandonakis, diretor-geral do Grupo Cipa Fiera Milano destacou que esta edição é uma das mais representativas desde 2008, quando o setor passou a receber certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para os equipamentos de proteção individual. “A cada ano, a FISP cresce em tamanho e qualidade de expositores e público visitante, e ganha mais importância de mercado devido à grande sinergia que promove entre todos os segmentos da cadeia produtiva através da troca de informações nos seminários, cursos e palestras que são realizados paralelamente aos negócios”.

O presidente da Abraseg, Jacques Lesser Levy, comentou a importância da realização de eventos como a FISP, que tem o objetivo de preservar a vida. “Para os distribuidores e importadores de equipamentos de segurança e proteção ao trabalho, este evento representa uma ocasião única de negócios, mas também, uma oportunidade de todos os profissionais se atualizarem sobre novas tecnologias para proteção e prevenção de acidentes”.

Otimista com o sucesso da feira, o presidente da Animaseg, Jorge Smilgys, declarou que o Brasil já dispõe de tecnologia de alto nível para o setor de segurança e proteção, mas destacou que o país precisa avançar em relação à redução dos acidentes de trabalho. Segundo ele, em 2013 foram registrados mais de 700 mil acidentes. “É um número alto para os padrões internacionais, mas que revela uma tendência de queda, à medida que as empresas vão se conscientizando de que prevenção não é custo e sim investimento”, comentou o executivo, acrescentando que o mercado de EPI faturou R$ 5 bilhões em 2013,

entre 3% e 5% para este ano.

Raul Casanova Jr. diretor executivo da Animaseg, por sua vez, disse que a 20a edição da FISP também traz maior participação internacional. “Isto demonstra que o mundo está de olho no mercado brasileiro. Nesta edição temos expositores de diversos países como Estados Unidos, Alemanha, França e Espanha, entre outros”.

O presidente do SINDISEG, Christian Steyer, aproveitou a abertura da feira para destacar que a disseminação da cultura de segurança é fundamental para evitar o aumento de doenças e acidentes decorrentes do trabalho. “É essencial entendermos a grandeza deste mercado e para isto, não só a exposição de produtos e serviços, mas também as palestras e workshops contribuem para a atualização profissional de gestores e técnicos que atuam no setor”. Steyer também salientou que a feira é muito importante para o segmento e que ao longo de 20 edições tem contribuído efetivamente para reduzir o número de acidentes do trabalho no Brasil. “Esse é um mercado que tem muito a crescer. O importante é prezar pela qualidade”.

Na ocasião, o diretor executivo do SINDISEG, Waldyr Perez destacou o crescimento do interesse dos prevencionistas na FISP-FISST 2014, o recorde de público, o que demonstra o resultado, também do sucesso e competência da nova gestão da Fiera Milano junto ao maior evento do setor. “Acreditamos que o público busca cada vez mais informações e o SINDISEG tem dado ênfase a Projetos de Educação Prevencionistas a fim de aprimorar a necessidade de expandir os conceitos sobre a segurança do trabalho para mais e mais trabalhadores e empresários”.

Participaram também da abertura Hector Abel Almirón, secretário-executivo da ABIEX; Armando Henrique, presidente da Federação Nacional dos Técnicos de Segurança do Trabalho (Fenatest); Robson Spinelli Gomes, tecnologista da Fundação

segmentos de calçados (37%), luvas (24%) e vestimentas (17%), e projeção de

com maior representatividade dos

crescimento

Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho; José Carlos Dias Carneiro, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Saúde e Segurança no Trabalho (Abresst); Marlise de Matosinhos Vasconcellos, presidente da Sociedade Brasileira de Engenheiros de Segurança (Sobes), Cezar Benoliel, presidente honorário da Federação Mundial de Engenharia de Segurança do Trabalho (Femest) e Milton Perez, presidente da ABPA – Associação Brasileira para Prevenção de Acidentes.

Após a solenidade o diretor comercial do Grupo Cipa Fiera Milano, Rimantas Sipas, anunciou que em breve a FISP deverá se tornar a maior feira mundial do setor, quando for inaugurada a nova ala do Centro de Exposições Imigrantes, prevista para 2016. Além de aumentar a área total, de 213 para 331 mil metros quadrados, o projeto também prevê um hotel próximo às instalações do empreendimento. “Com a inauguração do novo pavilhão Expo São Paulo, teremos 80 mil metros quadrados para ampliar a feira, atraindo ainda mais visitantes e novos expositores”, concluiu.

Novidades e lançamentos para o setor de EPI

Com soluções voltadas à prevenção de acidentes e novidades para trabalho com risco de queda, risco elétrico, risco de corte e em local confinado, a feira apresentou inovações para as linhas de vestimentas especiais (tecidos com nanotecnologia, repelência à água e óleo, retardante à chama, proteção antimosquito, proteção solar, antiodor e tecidos ecológicos – produzidos com poliéster proveniente de pet reciclado); proteção da face (protetores auditivos e respiratórios, óculos e capacetes, com destaque para o que traz visão em HD – high definition); luvas de segurança para diversos setores da indústria, calçados, cintas ergonômicas e creme de proteção, entre outros.

Outros dois segmentos, direcionados à segurança e prevenção também ganharam destaque especial com a realização simultânea da EXPO SAMU | Feira dos Fornecedores dos Serviços de Atendimentos Móveis de Urgência e a 10a FIRE SHOW

| International Fire Fair, realizada pela ABIEX – Associação Brasileira das Indústrias de Equipamentos contra Incêndio Cilindros Alta Pressão.

Além de atualizações referentes às normas, produtos, serviços e equipamentos, dentre os destaques da FIRE SHOW, estiveram novas tecnologias para detecção e prevenção de incêndio; mangueiras de incêndio e espuma; extintores portáteis, automotivos e pó químico; manômetros, válvulas, acessórios para extintores e a inédita ampola automática para apagar fogo.

Sinergia de eventos para o setor de proteção e segurança

Consolidando seu objetivo em difundir cada vez mais o conceito prevencionista, como parte da programação oficial da FISP o visitante também teve acesso a uma ampla grade de cursos, workshops e seminários voltados para a atualização profissional: XVIII COBENI | Congresso Brasileiro de Engenharia de Incêndio; Cursos ABS – Agência Brasil de Segurança; X SINESC – Seminário Nacional de Segurança e Higiene do Trabalho em Espaços Confinados e o Show de Capacitação e Qualificação Profissional em SST, além de mais de 70 palestras dos expositores que abordaram temas diversos na área de EPI e gestão de projetos de prevenção de

acidentes.

COBENI: tecnologia é principal aliada contra incêndio

Voltado para instrutores nas áreas de mapeamento, prevenção e combate a incêndio, o XVIII COBENI | Congresso Brasileiro de Engenharia de Incêndio destacou as últimas novidades para antecipação às ações de combate ao fogo, especialmente em ambientes herméticos como centros de TI, laboratórios de pesquisas e instalações industriais, que armazenam dados ou produtos de alto valor agregado.

Segundo o coordenador do COBENI, o engenheiro Aleksander Grievs, com os avanços tecnológicos existentes em termos de sistemas detectores, será possível reduzir, cada vez mais, as operações de extinção ao fogo já propagado. “Os bombeiros são cruciais à sociedade e devem estar bem treinados e equipados para o combate, mas as empresas e órgãos públicos têm hoje à disposição meios de prevenir corretamente e antecipar o sinistro”, concluiu.

Dentre as tecnologias disponíveis hoje na área de prevenção, destaque para o sistema de aspiração com sensores de LED, capaz de detectar partículas suspensas no ar em um ambiente fechado e monitorá-las, evitando reações químicas. O sistema aspira o ar continuamente, possibilitando identificar os primeiros gases de combustão. Integrado a uma central automatizada que canaliza as informações dos aspiradores, é possível reduzir a quase zero o risco de incêndio. O processo é tão preciso que é capaz de “ler” partículas de combustão no ar sem confundi-las com poeira, por exemplo.

O XVIII COBENI também abordou os seguintes temas: combate a incêndio com uso de novos líquidos geradores de espuma de alta performance, importância da análise de risco em projetos de planejamento de proteção contra incêndio e importância da qualidade e da reciclagem no treinamento de segurança contra incêndio, entre outros.

Cursos da Agência Brasil de Segurança focam no segmento de eletricidade

A Agência Brasil de Segurança – ABS promoveu durante a FISP uma série de cursos com temas sobre sistema de gestão em segurança, com destaque para o segmento de eletricidade, um dos que apresenta maior risco de periculosidade. Na visão do consultor Sergio Latance Junior, que ministrou curso “Periculosidade para Eletricistas”, a eletricidade é um agente complexo que precisa ser muito bem monitorado, quando se trata de atividade laboral. “Poucos sabem, por exemplo, a diferença entre tensão, corrente e potência, mas cada elemento tem a sua especificidade e graus de riscos inerentes”, apontou. Latance Junior alertou que no Brasil faltam ferramentas para balizar a perícia médica na área da eletricidade. Segundo ele, é preciso regulamentação para tornar as leis aplicáveis.

Os cursos ABS também abrangeram temas ligados à gestão tais como: a importância do aperfeiçoamento, qualificação e capacitação de colaboradores; técnicas de ensino para instrutores de prevenção e combate a incêndios e como desenvolver auditorias em SST. Outro curso bastante concorrido foi o de noções básicas de gerenciamento de riscos, apresentado pelo especialista em Segurança no Trabalho, Cláudio Szulcsewski.

Trabalho em espaços confinados é tema do SINESC

A profissão de técnico de segurança do trabalho foi oficializada no Brasil em 1974, entretanto, a norma NR-33, que trata sobre ofício realizado em espaços com aberturas limitadas e pouca ventilação, no qual pode se acumular gases tóxicos ou inflamáveis, só foi regulamentada há três anos. Esta atividade, que é comumente realizada em galerias subterrâneas, caixas d ́água, tanques, silos e poços, foi tema principal da programação do X SINESC – Seminário Nacional de Segurança e Higiene do Trabalho em Espaços Confinados. Entre os assuntos abordados, nas mais de 15 palestras, estavam casos reais de saúde em ambientes confinados; detecção de gases e vapores em galerias, segurança química e riscos microbiológicos em espaços confinados, que pela primeira vez foi discutido entre os profissionais da área.

Celso Luís de Oliveira, um dos coordenadores do seminário, destacou que desde a implantação da norma, o Ministério do Trabalho vem exigindo maior fiscalização neste setor. “Para se atuar neste tipo de ambiente, é obrigatório usar equipamentos como luvas, óculos e máscaras. O gás butano, por exemplo, é incolor e inodoro e sua presença no organismo é letal. Por isso, além de proteção aos trabalhadores, os gestores destes locais de trabalho devem realizar medições prévias com instrumentos adequados, em conformidade com a NR-33”, comenta Oliveira, acrescentando que é também obrigatória a realização de treinamento regular e planejamento das operações, para evitar danos à saúde do trabalhador.

Normas e regulamentações são destaque na programação do Show de Capacitação e Qualificação Profissional em SST

O Show de Capacitação e Qualificação Profissional em SST – Segurança e Saúde do Trabalho, promovido pela NN Eventos, ofereceu durante a feira uma programação de cursos voltada para qualificar os profissionais no atendimento correto das Normas Regulamentadoras (NR) do Ministério do Trabalho, bem como aprimorar a gestão para implantação e manutenção destas exigências no ambiente laboral. Segundo Neusa Nascimento, diretora da NN Eventos, empresa que atua há 25 anos no setor de treinamento profissional, a opção por uma grade focada nas NR ́s deu-se por ser um assunto de interesse abrangente, que envolve desde o técnico de segurança no trabalho a gestores de meio ambiente, engenheiros e profissionais de manutenção.

A programação, que contou com 10 seminários e mais de 1300 inscritos, abordou técnicas e métodos para o atendimento das normas: NR 20 – Segurança para Líquidos e Combustíveis, NR 12- Segurança em Máquinas e Equipamentos; NR 35 – Requisitos mínimos e medidas de proteção para o trabalho em altura; NR 10- Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; NR 13 – Segurança para Caldeiras e Vasos de Pressão; NR 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e NR 17 – Norma Regulamentadora em Ergonomia, entre outros temas.

Rodadas de negócio ampliam participação de fabricantes brasileiros de EPI no mercado internacional

O Brazilian Safety Equipment, projeto da
Animaseg em parceria com a Apex-Brasil
(Agência Brasileira de Promoção de
Exportações e Investimentos), criado para
promover as exportações brasileiras de
equipamentos de proteção individual e do
trabalho, organizou uma agenda de mais de
400 encontros e rodadas de negócio com
intuito de abrir o mercado internacional para
os EPIs brasileiros. Participaram
compradores do México, Colômbia, Chile,
Peru, Uruguai e Paraguai. Entre os produtos que integraram a pauta estão óculos e protetores respiratórios, luvas, capacetes e vestimentas profissionais de alta tecnologia.

Agenda

Realizada a cada dois anos, a próxima edição da FISP | Feira Internacional de Segurança e Proteção já tem data marcada. O evento acontece de 05 a 07 de outubro de 2016, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, paralelamente à FIRE SHOW | International Fire Fair e à EXPO SAMU | Feira dos Fornecedores dos Serviços de Atendimentos Móveis de Urgência.

Categories: Uncategorized